Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Votorantim lucra R$ 83 milhões no 2º trimestre de 2018

A Votorantim S.A. registrou lucro líquido de R$ 83 milhões no segundo trimestre de 2018, ante os R$ 554 milhões obtidos em igual período de 2017. A receita líquida aumentou 22%, alcançando R$ 8,2 bilhões entre abril e junho deste ano, frente ao mesmo período de 2017. O EBITDA ajustado (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 1,7 bilhão no trimestre encerrado em junho de 2018, 15% superior ao obtido no segundo trimestre de 2017, com margem líquida de 21%.

Os principais fatores que contribuíram para os melhores resultados no segundo trimestre de 2018 foram os preços dos metais na London Metal Exchange (LME) – com o zinco registrando alta de 20%, o chumbo de 11%, o cobre de 21% e o alumínio de 18% - e aumento no volume de vendas das operações de cimento. Além disso, a valorização do dólar frente ao real impactou positivamente na consolidação dos resultados das operações no exterior, apesar do efeito não caixa na dívida denominada nesta moeda.

No segundo trimestre do ano passado, o resultado da Votorantim S.A. foi afetado positivamente pela reversão do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), e esse efeito não recorrente não teve impacto no segundo trimestre de 2018.

Apesar dos melhores resultados operacionais, a redução do lucro líquido na comparação entre o segundo trimestre de 2018 e o mesmo trimestre de 2017 se deve principalmente a desvalorização do real na comparação dos períodos (Jun/18: R$/US$ 3,86 | Mar/18: R$/US$ 3,32 contra Jun/17: R$/US$ 3,31 | Mar/17: R$/US$ 3,17), e aos menores resultados das empresas reconhecidas pelo método de equivalência patrimonial.

“Nossos resultados melhoraram no trimestre e essa é a tendência para os próximos”, afirma João Miranda, CEO da Votorantim S.A. “Chegamos ao nosso centenário com uma posição financeira confortável, com nossas empresas saudáveis e investindo na modernização de seus ativos. Isso nos permite focar em nossa estratégia”, completa Miranda.

Investimentos

O CAPEX no segundo trimestre de 2018 totalizou R$ 514 milhões, uma redução de 29% em relação ao mesmo período de 2017. Os projetos de expansão representaram 31% do total dos investimentos entre abril e junho deste ano. 49% desse valor foi destinado aos projetos da Votorantim Cimentos. O início das operações na planta de Charlevoix (no norte dos Estados Unidos) ocorreu em junho de 2018, adicionando aproximadamente 0,6 milhão de tonelada de capacidade à região dos Grandes Lagos.

Representando 51% dos projetos de expansão, a Nexa seguiu com o aprofundamento da mina de Vazante (MG), que irá aumentar a sua vida útil em doze anos.

 Alavancagem

A Votorantim S.A. encerrou o segundo trimestre de 2018 com posição de caixa de R$ 9,8 bilhões, montante suficiente para cobrir os vencimentos das dívidas de quase 5 anos.

A dívida bruta consolidada totalizou R$ 24,7 bilhões em junho de 2018, e se manteve estável em relação a dezembro de 2017. Durante este período, apesar da liquidação antecipada de R$ 1,8 bilhão de empréstimos e financiamentos, tivemos o impacto negativo da desvalorização do real frente ao dólar.

Já a dívida líquida totalizou R$ 14,9 bilhões, 20% maior do que a registrada em dezembro de 2017. A alavancagem financeira, medida pelo quociente dívida líquida/EBITDA ajustado, atingiu 2,69x, uma diminuição representativa de 1,20 com relação a junho de 2017, reforçando o processo de desalavancagem da companhia.

“Neste trimestre, apesar do impacto da desvalorização do real frente ao dólar em nossas dívidas, mantivemos nossas métricas de crédito em níveis confortáveis”, afirma Sergio Malacrida, CFO da Votorantim S.A. “Essa condição confortável nos deixa prontos para os desafios e oportunidades que podem surgir”, completa Malacrida.